22.5.10

Direito de resposta às Minorias Intelectuais

(Eu odeio ter que “sair da personagem” e ter que falar a sério pelo menos aqui no blog, mas lá vai!)

Puto,

Estava eu a pensar que já ninguém vinha aqui ao blog, a começar por mim próprio, que escrevi três posts desde Outubro, e apenas um nos últimos quatro meses. Afinal, mal eu regresso, vens logo ladrar para a caixa de comentários, o que significa que andas em cima dos acontecimentos…e sugere algo bastante interessante para contrapôr ou refutar as tuas bocas sobre psicoses e obsessões.

Apraz-me ainda saber que sou motivo de tanta conversa e partilha de informação (vulgo cochicho) na vida de um “casalinho” que sempre imaginei que deveria ter mais que fazer.

Ensinaram-te bem a escrever a palavra “cidadão” no ISCSP (essa sim, uma “instituição”, na qual és conhecido como “o maior loser da faculdade”. Até te congratulava por isso, mas não é título que te tenha exigido grande esforço a conseguir). Todavia, não te ensinaram nem a definição de instituição (o que é de lamentar, terias bastante a ganhar tanto com esse conhecimento como com a ajuda de algumas delas, nomeadamente instituições de saúde mental), nem a escrever:

- Elucidá-lo;
- Aperceba;
- Atormenta;
- Julgue;
- Encontrasse;

entre tantos outros erros de acentuação (“refúgio”, por exemplo) e pontuação, aos quais se pode acrescentar um uso extenuante de retórica imbecil, clichés pseudo-Freudianos (a sério, não tinhas melhor?) e um alarmante delirio de grandeza. És material de trabalho para uma vasta panóplia de especialidades, desde professores de Língua Portuguesa do Primeiro Ciclo até Psiquiatras.

Se o número do desgraçadinho que passou três meses no hospital porque é estúpido como o raio que o parta e não sabe distinguir um comboio de um caixote do lixo (já agora eu explico: no segundo caso é que deves entrar por cima, de preferência de cabeça; no primeiro caso há portas para o referido efeito) até pegou, associado a actos públicos de choraminguice, no meu caso estás a ladrar à arvore errada. Só tenho a reiterar que és um borgesso.

Quanto à minha própria estupidez e respectivas consequências em termos de saúde, tenho a referir que me deixaram extremamente intacto e que os tempos de internamento (quando necessário) foram notoriamente inferiores…estou convicto de que haverá uma relação de probabilidade directa entre a dimensão da estupidez e o tempo respectivo de internamento. Mais ainda, a pancreatite inicial foi causada por um envenenamento, que poderia ter acontecido a qualquer um (como aliás aconteceu a mais pessoas nesse mesmo bar, nessa mesma noite) e cujos causadores estão a cumprir pena de prisão, segundo as informações que tive. No teu caso, o pobre comboio foi claramente inocente.

Quanto à música, tu conheces a minha banda. Tu e mais pessoas no mundo inteiro. Eu nunca ouvi falar de nada que tenhas feito. O mesmo se aplica a toda a gente cujo conhecimento musical seja de prezar. Se ao fim de vinte e cinco anos tiveres conseguido um centésimo (para ser optimista) do que a minha banda alcançou, telefona a dar notícias. Pede o número a quem te deu o endereço do blog.

Outro aspecto interessante, o da suposta automutilação. Isso fez o Van Gogh, pá! Eu nem a um Richey Edwards cheguei. Vai à Wikipedia descobrir quem são se quiseres, que eu não vou perder mais tempo a ter que explicar tudo a um grunho pseudo-pomposo.

Para terminar: neste blog, com mais ou menos assiduidade, vontade, humor, ficção ou não, para todos os efeitos, quem manda sou eu (e os outros dois)! E reservamo-nos o direito de atirar todas as pedras a todos os telhados que nos der na gana. Se não gostas, come só as batatas. Se não consegues distinguir o cotovelo do olho do cu, o problema é teu. Se quiseres que tenham mais pena de ti, sobe a um poste de alta tensão. Pode ser que os postes de alta tensão tenham outra consideração por auto-proclamadas “instituições”, que os sacanas dos comboios não têm. Por mais "Nobres" que sejam. Com maiúscula como na marca de chouriços, também 100% carne de porco, mas não esturricada ao contrário de ti.

Cura-te e desaparece-me da frente.

P.S.: Da próxima vez que arranjares as sobrancelhas (ou alguém por ti) imediatamente após eu as ter comparado com uma tira de Velcro, tenta que não seja no Verão. A mancha branca que ficou no Verão passado ao separá-las foi no mínimo hilariante!

1 comentário:

NuMiSiCoMa disse...

Epá...

Já tanto tempo passou desde que sai da Madeira e, tambem por isso, vejo que a expressao "já chegámos á madeira, ou q?" tem cada vez mais e melhores utilizações.

Temos um cidadao que se autoproclama instituicao. Pouco tardará a coparar-se ao Estado enquanto animal (qual Wittgenstein). Em nenhum dos casos vejo qulaquer das Formas em delirios linguisticos. Aliás, após anos de interesse em "teorias comportamentais" é mesmo a primeira vez que vejo o elemento "cagalhao" enquanto Forma de comparacao humana...mas tambem é verdade que me dou, usualmente com Formas inteligentes.

Que falta de chá tremendo. Por vezes penso que o Sr Chomsky tinha mesmo razao, e a pessoa em questao é só mais um dos tais 90 e tal por cento da populacao que para alem de gastar oxigénio, precioso para a vida inteligente, tambem nos gastam tempo. Nao porque merecam grande atencao no seu conteudo...mas porque merecem, sem margem para duvida, ser colocados no sitio. Á falta de um par desapatos de chumbo (com o rio tao perto) , deixo umas singelas palavras.

Como parte final do exercicio: comparar o resultado de uma bestialidade com um envenenamento, mais uma vez, contribuiu para que a tal voz tivesse de ser metida no sitio (que nao digo qual).

Fora todo este odio visceral que passou de entre dois para muitos...espero que estas minhas linhas sejam as ultimas linhas na dita discussao. Nao o faço por pensar ter razao. Nao conheco a historia a nao ser por traços gerais (tenho que dizer que me ri largamente com alguns detalhes)...

...e mais uma vez, agora a vós, digo: hoje em dia, cada asneira que fazemos (faltas de respeito, agressoes, estupidez pura e simples) é facilmente comunicada a um enormerrimo numero de pessoas. Nao é por nada que tanta menina anda a ser apanhada com as calcas nas maos....e os meninos tambem.
Como diria o braço direito do Zuckerberg..."nao é o FaceBook que te anda a enganar".

"Guns dont kill people; people kill people!"

..e com esta vos deixo porque embora sempre tenha gostado de bater na cabeçorra das pessoas, tenho coisas mais interessantes para fazer. Bem...ainda que nao "mais interessantes"...menos chatas!